Terra Goyazes


03/01/2011


AS RAZÕES DA IV FROTA

 

 

CAPÍTULO I - O PLANETA ÁGUA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Muito se especula sobre as razões da recriação da IV Frota, parte do Comando Sul da Marinha Americana, com o raio de ação basicamente na região do Atlântico Sul. Este Blog acredita que não há apenas uma razão para tal medida, e sim um conjunto de razões suficientemente fortes para justificar o ato. Razões de Império, orientadas desde o seu nascedouro pela Teoria do Destino Manifesto, forjadora da nação americana com a configuração que ela tem hoje.

A partir de hoje, este blog analisará as principais razões que levaram o governo americano a mais esse ato expansionista. Começando pelo acesso e controle da água.

Observadores mais argutos dirão que é um contrassenso nossa teoria. Argumentarão que os americanos, com o grande complexo hidrográfico do Mississipi-Missouri, jamais terão escassez de água. Concordo. É a lógica. Mas os EUA, desde O’Sullivan, mandam a lógica às favas, guiando suas ações pela diplomacia das canhoneiras; vislumbrando sempre um fundo expansionista em suas relações com os outros Estados. A frase-lema de James Buchanan “A expansão dos Estados Unidos sobre o continente americano, desde o Ártico até à América do Sul, é o destino de nossa raça (...) e nada pode detê-la.", permanece até hoje no frontispício da Casa Branca.

Estudiosos e agentes do governo americano pesquisam o déficit hídrico mundial, há décadas. E sabem que, se hoje temos um quadro grave na oferta hídrica mundial, a médio e longo prazos, o que é grave se tornará dramático. Países que hoje já padecem de restrições no consumo de água, como China, índia, Irã, Argélia, Egito, México e Paquistão, no ritmo atual de crescimento no consumo, terão, daqui a algumas décadas, que comprá-la de países que a terão em abundância. Não é exercício de futurologia, nem teoria da conspiração, aventarmos a hipótese de que, num futuro não muito distante, a água ser uma commodity mais cara e estratégica que o petróleo.

Nesse cenário adverso de escassez de água, temos configurado o jogo bruto do mercado: os países grandes produtores se tornarão exportadores de um bem limitado e caro. Quem tiver o controle dos grandes reservatórios de água dominará as relações mercantis; ou seja, os países grandes produtores de água, reunidos talvez numa OPEA ( Organização dos Países Exportadores de Água), ditarão o preço e a quantidade da água que venderão. É a lógica do velho, puro e bruto capitalismo! Puro e sem gelo, evidentemente.

Bom, e o que isso tem a ver com a IV Frota? perguntarão os áulicos de sempre. Tem que o Brasil consegue reunir em seu território uma conjunção de fatores, únicos no planeta, que o tornam dotado de um excepcional superávit hídrico. Além de possuir a maior bacia hidrográfica do planeta, a Amazônica, o Brasil, conta com mais de uma dezena de importantes bacias, possuindo aproximadamente 13% da água doce do planeta. Sem estar devidamente mensurado o seu potencial aqüífero, visto que os dois maiores aqüíferos do planeta estão aqui localizados, o Guarani e o Alter do Chão. Dados preliminares indicam para o aqüífero Alter do Chão um volume de 86 mil Km³ de água, e 45 mil km³ para o Guarani. Por muito menos, as canhoneiras do Tio Sam lamberam a metade do México.

Posto esse cenário, fica a indagação: o que o Brasil deve fazer, diante de um ato potencialmente intimidatório como esse? Bom, este blog não tem a pretensão de ensinar padre a rezar missa, nem ensinar o governo a governar nem a defender a soberania do país. Uma tarefa que a Blogosfera pode e deve fazer é a de abrir a discussão, alertando o povo e as autoridades acerca da gravidade do quadro. Talvez um bom começo tenha sido a criação da ANA – Agência Nacional de Águas, levada a cabo pelo governo Lula, para disciplinar e racionalizar o consumo de água no país. Outro importante passo seria, talvez, a formatação  de uma nova política nacional de defesa, que levasse em conta todas essas condicionantes e que desaguasse num fortalecimento do poder dissuasório das Forças Armadas do país.

 

 

 

 

Alberto Bilac de Freitas

Igor Romanov


 

Escrito por Alberto Bilac de Freitas Nobre às 16h29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Histórico